Horta comunitária não é só coisa de gringo

09:21:00 Adriana LARA 0 Comments

Condomínios brasileiros já apostam no compartilhamento de alimentos para uma vida fisicamente melhor e socialmente mais ativa.

Já imaginou sair do seu apartamento pouco antes do almoço para colher verduras frescas e sem agrotóxicos? As hortas comunitárias não apenas proporcionam mais saúde à mesa, mas também ajudam no convívio social entre as pessoas de uma comunidade.
A nova moda, que em outros países não é tão nova assim, está chegando ao Brasil e promete trazer de volta uma série de princípios perdidos com a correria do dia a dia e a falta de tempo das pessoas. “Todos nós consumimos níveis absurdos de agrotóxicos todos os dias e uma horta comunitária dentro do condomínio faz com que as pessoas se alimentem melhor, além de ser um processo simples de ser realizado”, garante Rejane Carvalho, franqueada da BRCondos Jaraguá do Sul, administradora de condomínios.
Cultivar uma horta não requer muitos recursos financeiros e também não exige um espaço tão grande quanto parece. Porém, claro, deve ser aprovada pela maioria simples dos condôminos em assembleia. “Essa obra é considerada útil e deve começar devagar. Além disso, pode ser feita em uma pequena parte do jardim do prédio até que se tenha certeza de que o projeto dará certo”, explica.
Após decidir o espaço, o condomínio deve orçar os custos da terra que será utilizada e outros itens como nivelamento do solo, criação dos canteiros, escolha das sementes e outras questões fundamentais - como o sistema de irrigação da horta. “Para os condomínios que não têm espaços disponíveis, a indicação é criar a horta em vasos que possam ser transportados”, sugere.
Esse processo funciona melhor com a contratação de um profissional que passe as primeiras instruções na fase de implantação. O especialista vai auxiliar na escolha do lugar mais apropriado, iluminado e de fácil acesso aos moradores. “Além de tudo isso, essa pessoa vai ensinar necessidades básicas para que uma horta dê certo, como a prática da compostagem, onde os moradores reaproveitam o lixo orgânico de suas próprias casas, por exemplo”, completa.
As sementes ou mudas podem ser decididas pelos moradores, sendo que os espaços menores não comportam grandes folhosos como brócolis e alface, por exemplo. Condomínios menores podem investir em temperos como manjericão, salsa, cebolinha, hortelã e orégano. “Outro ponto importante é a manutenção das verduras, que precisa ser feita diariamente. Uma boa dica é envolver as crianças nesse serviço”, diz Rejane.
Alguns condomínios optam pela colheita individual e outros funcionam melhor com uma distribuição racionada. “É fundamental que as regras de uso da horta estejam bem claras para todos, o que evitará conflitos desagradáveis. É possível revezar entre os condôminos a manutenção do espaço e estabelecer quais dias da semana serão utilizados para colher os alimentos”, acrescenta.
Na Alemanha, mais especificamente em Berlim, são cerca de 80 mil hortas comunitárias. Além disso, quase 80% das famílias que vivem em áreas urbanas da Rússia fazem uso desse tipo de compartilhamento. Áustria, Bélgica, Portugal e muitos outros fazem isso há bastante tempo.
O Brasil ainda está engatinhando nesse caminho, mas as possibilidades de que o sistema funcione são grandes. “Estamos falando de processos simples e capazes de modificar a vida das pessoas emocionalmente, fisicamente e socialmente. Basta que haja conscientização dos moradores sobre a importância de unir praticidade, sustentabilidade e saúde, além de uma boa dose de generosidade para compartilhar tudo isso”, conclui Rejane.

0 comentários:

Deixem seus comentários! Adoro saber o que vocês pensam sobre as postagens do TdD! bjs